Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo PABX 3130-2000 Central Atendimento 3130-2100
Mapa do SiteTSEOutros TREInício
Urna Eletrônica

EmpréstimoHistóricoVantagensCaracterísticasVoto passo a passoSegurançaApuração da Eleição

Vantagens

1. Impedir fraudes , através das seguintes ações:


1.a. Apresentação dos Programas
Os partidos concorrentes ao pleito poderão receber, previamente, os programas de computador a serem usados podendo, inclusive, constituir sistema próprio de fiscalização, apuração e totalização dos resultados (Lei 9.504/97, art. 66, 2).

1.b. Conferência de Carga Serão gerados o cartão de memória de carga (tabelas de partidos e candidatos concorrentes) e o cartão de memória da votação (tabelas de eleitores e seções) que, junto com o disquete em que serão gravados os votos totalizados, serão introduzidos na urna eletrônica em dia e horário previamente designados pelos juízes eleitorais. Esses procedimentos podem ser acompanhados por fiscais e delegados de partidos que assim desejarem, sendo cada urna lacrada e assinado o lacre por um representante do Ministério Público Eleitoral e pelo Juiz Eleitoral. Aos fiscais e delegados de partidos e coligações é garantida ampla fiscalização desse processo, sendo admitida a conferência por amostragem, em até 3% das máquinas. (Art. 7 , 8 e 9 - Res. 20.563/00).

1.c. Emissão da Zerézima Às sete horas e trinta minutos do dia da eleição, o presidente da Mesa Receptora de Votos emitirá a "zerézima" na presença dos fiscais de partidos políticos, que é um documento impresso pela urna contendo a relação de todos os concorrentes ao pleito e com zero votos para cada um, provando que não há qualquer voto registrado naquela urna.

1.d. Emissão do Boletim de Urna (BU) encerrada a votação, o presidente da Mesa Receptora de Votos fará a apuração da sua Seção Eleitoral, expedindo um boletim com a totalização dos votos daquela urna eletrônica, em 5 vias. Uma via será afixada na entrada da Seção Eleitoral, outra será entregue aos fiscais de partidos presentes e as demais serão enviadas, junto com o disquete, à Junta Totalizadora de Votos.

1.e. Bloqueio do número do título o sistema eletrônico impede que o eleitor vote mais de uma vez, pois o número do título é bloqueado após a primeira votação.

1.f. Eliminação do Mapismo
o mapismo, que consistia na alteração de dados no momento do preenchimento dos boletins de urna durante a apuração manual, não ocorre mais, uma vez que essa etapa é eliminada do processo com a utilização da urna eletrônica.

1.g. Eliminação da Queda de Linha o lançamento de dados na linha inferior ou superior ao campo destinado ao candidato no boletim de urna, muito comum nas apurações manuais, devido ao cansaço dos apuradores, também é eliminado.

2. Uniformidade de Interpretação
Com o voto eletrônico acaba a subjetividade para identificar a vontade do eleitor. No processo manual são as juntas apuradoras que interpretam votos que não estão claros.

3. Resultados matematicamente corretos
À medida que cada eleitor vota, o programa efetua a soma daquele voto aos já computados, emitindo ao final da votação, a totalização correta daquela urna eletrônica.

4. Rapidez na divulgação dos resultados
Ao encerrar-se a votação, cada urna expede o seu boletim de urna (BU) com todos os votos já apurados, ou seja, o resultado da eleição naquela urna é imediato.

5. Fotos de todos os candidatos (eleições proporcionais e majoritárias)

O eleitor pode conferir, também pela foto, o candidato em que vota.

6. Armazenamento de dados confiável (flash card)
O flash card é uma mídia altamente confiável e duradoura, com gravação e leitura de dados eletrônica.

7. Possibilidade de justificativa do voto na seção eleitoral

Para quem está fora do seu domicílio eleitoral no dia da eleição, basta apresentar o Requerimento de Justificativa Eleitoral em qualquer local de votação (no mesmo horário da votação) e a ausência é justificada, na própria urna eletrônica, pelo mesário.

8. Voto do Eleitor analfabeto
Este voto é facultativo. Entretanto, o eleitor analfabeto que deseja votar também tem esse ato facilitado pois, na maioria dos casos, conhece números. Ele faz ligações telefônicas de telefones públicos cujo teclado é igual ao da urna eletrônica. Para confirmar ou corrigir o voto, ele poderá identificar as teclas através das cores.

9. Voto do eleitor deficiente visual
Em cada tecla da urna, este eleitor encontrará a gravação do respectivo número em código internacional braile. O deficiente visual que não lê braile poderá votar guiando-se pelo número 5, central, ressaltado no teclado através de uma pequena barra, logo abaixo do número, na própria tecla. As urnas eletrônicas modelo 2000 já possuem um sistema de áudio, que permite ao deficiente visual a conferência e confirmação do voto.

VoltarSubir